Trabalhando até tarde – BDSM –

Trabalhando até tarde – BDSM –

“Bem, foda-se você também, então!”

A explosão ecoou por todo o chão, mesmo através da porta de vidro que separava o escritório de Claudia da área principal. Isso causou um calafrio coletivo entre os trabalhadores do escritório. Um ou dois deles lançaram olhares solidários para a morena sentada na mesa mais próxima do local de trabalho de seu chefe.

Linda Reed foi assistente pessoal de Claudia Braddock por quase dois anos. Havia muitas pessoas que trabalharam mais tempo na agência de publicidade, mas ninguém durou tanto quanto Linda. Ninguém sabia ao certo qual era o recorde, mas o consenso geral era que, além de Linda, quem durou mais tempo foi Dave, um jovem funcionário recém-saído da faculdade. Durou três meses.

De alguma forma, Linda conseguiu durar. O fato de que ele ainda causava espanto entre o resto da equipe. Mas parecia que não passava um dia sem que ela fosse a primeira a chegar, mesmo antes da Srta. Braddock, e muitas vezes também ficava acordada até tarde com seu chefe. E não importa quantas vezes isso acontecesse, ela estava sempre alegre, quase alegre na manhã seguinte. Isso levou alguns de seus colegas a suspeitar que Linda tinha um berço e uma muda de roupa escondidos em algum lugar do escritório. E a julgar por esta explosão em particular, seria outra noite.

Como Linda esperava, seu chefe quase chutou a porta de vidro um momento depois. Como um, todas as cabeças na sala se viraram para olhar para ela. Não foi difícil ver o porquê. A mulher irradiava poder.

Depois de quase vinte anos no ramo de publicidade, os últimos oito dos quais foram passados ​​administrando sua própria agência, Claudia aprendeu a se comportar com autoridade inegável. Claro, ela se vestia com perfeição, todas as saias lápis e blusas de seda e cortes de cabelo imaculados e saltos que deixariam as mulheres menores dispensadas depois de apenas uma hora de caminhada, mas isso era mais do que uma aparência. Sua voz, sua linguagem corporal, tudo sobre a maneira como ela se apresentava deixava claro que ela era a mulher no comando, não importava em que empresa estivesse.

“Simmons, Wilson, vocês podem passar o dia em casa. DeSanto não está feliz com seu trabalho.”

Os dois colegas assim indicados compartilharam um olhar incerto sobre suas mesas unidas antes de assentir e sair sorrateiramente da sala. Nenhum deles tinha certeza de que ainda teriam trabalho a fazer pela manhã. A julgar pela natureza exata da explosão de seu chefe momentos antes, suas chances eram cinquenta/cinquenta.

Pode ter sido apenas porque Claudia estava com raiva em geral, caso em que provavelmente estariam arrastando seus portfólios para outras agências até o final da semana. Mas a maneira como ela expressou sua explosão significava que havia uma chance de ela estar apenas brava com o cliente, caso em que a pior fúria de Claudia seria poupada. De qualquer forma, os olhares que seus colegas de trabalho estavam dando a eles enquanto se dirigiam para o elevador eram pura pena. Claro, os dois homens eram jovens e talentosos e provavelmente poderiam se recuperar, mas ainda assim, ninguém estava feliz em ver seus colegas possivelmente demitidos no local. Lá, mas pela graça de Deus e tudo isso.

Estavam quase chegando ao elevador quando ouviram passos atrás deles, acompanhados pelo previsível ‘Segure a porta!’

Apesar do fato de que havia uma boa chance de que eles tivessem acabado de ser demitidos, os homens no elevador ainda sentiam uma pontada de simpatia por Linda. Afinal, eles poderiam estar sem emprego, mas o trabalho dele seria impedir que o Monte Braddock entrasse em erupção.

Eles trocaram olhares estranhos enquanto Linda afastava uma mecha de cabelo do rosto. “Desculpe…” ela sorriu, um pouco sem fôlego. “Tenho certeza que pode ser resolvido…”

Os dois homens olharam de um lado para o outro até que o mais jovem finalmente falou. “Se você diz, Lin… você está bem? Parece que estou em pé de guerra.”

“Sim, eu vou ficar bem…” Linda sorriu tranquilizadoramente. “Eu vou pegar um café com leite para ele agora e me certificar de que Lucky Wong tem seu recibo de entrega pronto. Ele ainda está trabalhando até tarde esta noite.”

Os dois homens trocaram um olhar novamente. Assim que ouviram Linda fazer o pedido pelo telefone. Levou quase três minutos para explicar todos os detalhes, e Linda sabia a ordem de cor. Na verdade, foi impressionante, de certa forma, e uma grande parte do motivo de Linda ter durado tanto. Linda parecia ter um olho afiado para sempre saber exatamente o que Claudia precisava e fazer um grande esforço para garantir que ela conseguisse.

Os três trocaram despedidas desajeitadas do lado de fora do elevador. Linda parecia feliz com a certeza de que os veria novamente amanhã, ou pelo menos depois do fim de semana. Os outros dois não tinham tanta certeza, mas havia algo contagiante no otimismo de Linda. Era difícil não ficar impressionado ao vê-la trabalhando com um sorriso todos os dias, considerando a pressão que ela estava sofrendo.

Um bom quarto de hora se passou quando Linda entrou no escritório de seu chefe. Às vezes parecia que ela era a única empregada da Srta. Braddock que podia entrar aqui sem ficar nervosa. O escritório de Claudia estava localizado no canto sudeste do andar, separado da área principal por paredes de vidro. Em teoria, qualquer um podia ver o que ele estava fazendo ali.

Na prática, todos entendiam que este era o seu domínio. O escritório de Claudia era um reflexo da mulher que trabalhava lá. Revestiam a parede várias gravuras emolduradas, pôsteres que Claudia desenhara no início de sua carreira. Os designs originais, sem marca do cliente para estragá-los. A mobília era mínima, projetada para a função e não para a forma. Havia uma cadeira de escritório, e uma confortável ainda, mas tinha sido empurrada todo o caminho para trás, encostada na janela. Claudia poderia passar dias inteiros trabalhando em pé.

Como quando Linda chegou. Ele estava de pé em sua mesa, folheando uma pasta. Ele nem reconheceu Linda quando entrou. Linda não parecia se importar. Ele colocou a xícara em um porta-copos e sorriu. “Seu café, Srta. Braddock. E o Wong’s terá seu pedido de entrega habitual às quinze para as sete.”

Claudia assentiu levemente. Há muito que ela não se espantava com a capacidade de sua assistente pessoal de prever o que ela precisava. Ele nem pediu café, muito menos disse a Linda que estava planejando trabalhar até tarde e queria um pouco de comida chinesa. Era completamente desconcertante às vezes, mas Claudia não chegou onde ela estava encarando um cavalo de presente na boca.

O fato de Linda estar sorrindo quando voltou ao escritório surpreendeu seus colegas. Até onde sabiam, ela era a única pessoa que frequentemente saía do escritório sorrindo. A maioria deles apenas o deixaria parecendo aliviado.

À medida que o dia avançava, não havia mais explosões, nem telefonemas gritantes, ninguém sendo chamado ao escritório para se vestir. À medida que o sol se punha lentamente, os funcionários se despediam um a um. Todos menos Linda. Eles ficariam mais surpresos se ela saísse antes de qualquer um deles.

O entregador veio e foi. Linda cozinhou a refeição de seu chefe e a deixou na mesa dele, depois voltou para a dela para saborear seu tofu picante e bolinhos de legumes. Outra ida ao escritório, e as caixas foram retiradas silenciosamente, substituídas pelo copo de água gelada com limão que era a sobremesa favorita de seu chefe.

Eram quase nove horas quando Linda entrou no escritório da Srta. Braddock. A mulher mais velha estava na janela, olhando para a cidade. Se algum de seus funcionários pudesse vê-la, ele ficaria surpreso que fosse a mesma mulher que os observava como um falcão durante o dia de trabalho. Seus saltos altos estavam caídos no canto, e a própria Claudia parecia cansada, seus ombros levemente caídos.

Linda respirou fundo. Seu chefe precisava dela. Por isso ela estava um assistente pessoal tão bom. Ele daria a Claudia o que ela precisava.

A senhorita Braddock enrijeceu por um momento enquanto as mãos de Linda descansavam em seus quadris. Então ele relaxou novamente, exalando lentamente. Linda se inclinou para ela e apoiou o queixo no ombro direito de seu chefe. perfume favorito as narinas de Claudia se encheram e, sem tirar os olhos da paisagem urbana atrás do vidro, ela se encostou em sua assistente pessoal.

“Foi um longo dia, Srta. Braddock…” Linda disse suavemente.

Claudia simplesmente assentiu. Ele se inclinou, suas próprias mãos perfeitamente cuidadas acariciando levemente as de Linda. “Há muito tempo… o que você disse a Wilson e Simmons?”

“Só que eu tenho certeza que tudo vai ficar bem.” Linda sorri. “O que acontece com eles não depende de mim.”

Claudia assentiu lentamente. Ele sempre apreciou o fato de que Linda nunca lhe disse como administrar seu negócio. Ele nem mesmo jogou um clichê como “Eu acho que você foi muito duro com ele.”

Depois de um momento de silêncio, enquanto Linda ainda segurava a mulher por trás, a assistente pessoal falou novamente. “Você está tenso…”

“Eu sei…” Claudia suspirou. “Você é apenas…”

“Não.” A voz de Linda chegou ao seu ouvido, suave, mas firme. “Eu acho que seu dia de trabalho acabou e é hora de você relaxar… para nós dois relaxarmos. Vá se preparar.”

Claudia assentiu, silenciosamente se libertando das mãos de Linda. Seus pés calçados mal fizeram um som quando ela desapareceu pela porta quase invisível que levava ao banheiro privativo. Ele estava prestes a abri-lo quando a voz suave, mas autoritária de Linda soou novamente. “Não, Claudia. O banheiro dos funcionários.”

“Tão fofo”. Claudia suspirou, saindo de seu escritório pelas portas de vidro. Sair do piso de mármore de seu escritório para o carpete com apenas as meias de náilon para separar as solas dos pés da superfície foi uma sensação estranha.

Movendo-se do escritório mal iluminado para a iluminação LED branca brilhante dos banheiros dos funcionários, Claudia estremeceu novamente. Ela caminhou até a pia e levou um momento para lavar as mãos e jogar água fria no rosto.

A mulher que a olhava no espelho estava envelhecendo. Ela ainda era linda, é claro, ela tinha certeza disso, mas as rugas ao redor de seus olhos e mãos eram difíceis de perder. Ele temia o momento em que encontraria seu primeiro cabelo branco em sua escova. Ao desabotoar a blusa, ela não pôde deixar de notar que havia chegado a um ponto em que nenhuma quantidade de torção poderia impedi-la de amolecer ao redor de seus quadris e estômago. Ela dobrou a blusa e a saia em uma pilha arrumada e as jogou na pia.

Ele levou mais um momento para arrumar sua calcinha. Como tudo sobre a mulher, era de cetim azul escuro de alta qualidade e renda que se ajustava perfeitamente ao seu corpo, contrastando com sua pele bronzeada. E embora não pudesse negar que estava envelhecendo, ela sabia que ainda era muito atraente para uma mulher que havia passado dos quarenta anos atrás.

Enquanto Claudia voltava para sua mesa, ela abraçou suas roupas dobradas em seu corpo. Ela sabia que deveria se sentir exposta, até mesmo vulnerável, andando pelo escritório agora abandonado. Ela só podia imaginar o que seus funcionários pensariam se a vissem andando assim. Mas não havia ninguém para vê-la, e o vidro que cobria o prédio de escritórios era um espelho. A única que podia vê-la era Linda.

Ele só podia ver a silhueta de seu jovem assistente pessoal. Linda tinha apagado todas as luzes de seu escritório, exceto sua mesa, e aquela só a iluminava por trás.

A voz de Linda gritou quando ela se afastou das portas de vidro que separavam o escritório de Claudia da área de trabalho principal. “Ajoelhe-se, Claudia, e coloque suas roupas ao seu lado no chão.”

As pernas de Claudia dobraram graciosamente sob ela. Ela podia sentir como o mármore estava frio em seus joelhos. Ela se despiu conforme as instruções e manteve a cabeça baixa, os olhos fixos no ponto onde duas placas de mármore se encontravam. Ela cruzou as mãos sobre os joelhos.

Claudia manteve a cabeça curvada obedientemente enquanto Linda se aproximava dela, embora um pequeno arrepio de antecipação percorresse seu corpo. Assim como Claudia, Linda havia tirado os sapatos. Seus passos mal podiam ser ouvidos enquanto ele andava e se movia para ficar atrás de seu chefe.

Demorou alguns momentos antes de Linda se mexer. A sensação do dedo de Linda correndo ao longo de sua mandíbula foi elétrica. Claudia fechou os olhos e engoliu em seco. Seu dedo continuou a acariciá-la suavemente, brincando com as mechas do cabelo escuro de Claudia atrás das orelhas, seguindo a linha de suas maçãs do rosto, depois descendo e tocando levemente sobre os lábios. Apesar de si mesma, Claudia franziu a testa brevemente, beijando a ponta do dedo antes que ela pudesse continuar sua jornada.

“Ainda não Cláudia. A voz de Linda veio severa, embora não fosse áspera.

“Sim senhora…” Claudia disse rapidamente. Ele sabia que eles ainda não tinham começado, extraoficialmente, mas como ele poderia não se dirigir a Linda dessa maneira quando ela estava ajoelhada em seu próprio escritório?

O dedo continuou, arrepiando os braços de Claudia enquanto provocava sua garganta. Por um momento o dedo se moveu e Claudia pôde sentir como a unha de Linda estava afiada contra sua pele. A respiração de Claudia parou por um momento.

Mas a pressão foi apenas momentânea, apenas um breve momento para Linda se reafirmar. O dedo continuou mais baixo. Ele traçou o topo do seio esquerdo de Claudia, brincando com a prata que brilhava ali.

Nenhum dos colegas de Linda tinha notado o colar que Claudia usava sob a blusa. Era notavelmente simples para seus padrões, em prata de lei, bem feito, mas não uma obra-prima. Não era para ser exibido.

Quando o dedo de Linda ficou preso sob a corrente, Claudia pôde sentir o pingente que normalmente repousava entre seu peito se erguer. Ele podia ver os braços nus de Linda enquanto sua outra mão se abaixava e desamarrava o pingente de seu colar.

Era ainda mais simples do que a corrente na qual ele estava pendurado. Externamente, era apenas um simples disco de prata. Mas quando Linda caminhou até o registro de Claudia com ele, ela passou a unha ao longo de um pequeno sulco quase invisível na borda. Abriu em uma pequena dobradiça escondida, revelando um núcleo de plástico preto.

O plástico foi pressionado contra a gaveta de baixo. Por um momento nada pareceu acontecer, então houve um pequeno bipe quando a fechadura eletrônica reconheceu o chip RFID escondido dentro do pingente e Linda o abriu.

O conteúdo da gaveta era difícil de distinguir apenas com a lâmpada de mesa para iluminar a mesa, mas havia uma sugestão distinta de cetim preto e couro, com o brilho ocasional de metal. “Acho que vou levá-la para uma caminhada para se aquecer, Claudia.”

“Sim senhora…” veio a voz submissa da mulher mais velha. Ela não tinha certeza se precisava de uma carona agora, mas ela sabia que tinha que confiar em sua senhora. Linda sorriu e selecionou vários itens de sua gaveta pessoal de brinquedos.

Primeiro foi o colar. Eles não podiam jogar até que estivesse ligado. Essas eram as regras.

Era notavelmente simples, apenas couro preto com um forro de veludo vermelho escuro, uma fivela de prata brilhante em uma extremidade, anéis de prata na outra para prendê-la e um anel em D com tratamento semelhante no ambiente. “Olhos para baixo, Claudia.” Linda ligou de volta para sua sub.

“Sim Madame.” Claudia respondeu imediatamente. Linda retomou sua posição atrás da mulher mais velha. Quando o relacionamento deles começou, a propensão de Linda a se aproximar de sua submissa por trás deixou Claudia incrivelmente nervosa. Não olhar para trás sempre parecia exigir um esforço consciente de sua parte, e ele sempre errava pelo menos uma vez por noite.

Mas isso parecia uma eternidade atrás. Agora ela obedientemente se acalmou quando Linda caminhou até ela e segurou o veludo vermelho em seus lábios. Claudia o beijou suavemente. “Obrigado senhora”.

Linda assentiu, movendo o pescoço para baixo, deslizando-o cuidadosamente ao redor do longo cabelo preto de Claudia. Houve um tinido de metal quase inaudível quando ele fechou a fivela. Ele deslizou um dedo entre o couro e a pele de Claudia para se certificar de que não estava muito apertado.

Então veio a faixa de cabeça, cetim suave contra sua pele. Claudia podia ver muito pouco, apenas seus joelhos e o mármore além, e o tecido enegrecido tirava até isso. Eu podia sentir os dedos hábeis de Linda amarrando as fitas em cada extremidade em um nó.

Ainda bem que sua submissa não podia vê-la, Linda se moveu na frente dela. “Apresente suas mãos. ela pediu.

Claudia assentiu, levantando as mãos bem cuidadas. As mãos de Linda, tão pequenas e delicadas, pareciam incrivelmente fortes quando seguravam seus dedos.

“No topo.” veio o seguinte comando. Sem sua visão para guiar seu equilíbrio, Claudia teve que confiar em sua senhora para segurar suas mãos. Ela se levantou facilmente. Ele nem precisou ordenar que ela completasse o próximo passo do ritual. Ela abriu as pernas ligeiramente.

Com certeza, houve o som de tecido farfalhando quando Linda mergulhou brevemente em uma posição agachada. Claudia podia sentir as algemas nos tornozelos enquanto estavam amarradas em suas pernas. Então Linda se levantou e pegou as mãos de Claudia novamente.

“Hoje vamos usar a corrente curta, Claudia. Pequenos passos. Siga minha voz. Siga minhas mãos.”

“Sim senhora…” a mulher mais velha assentiu. O primeiro passo que ele deu foi pequeno, hesitante, e seu pé direito havia se movido apenas cerca de vinte centímetros antes que a corrente de metal que ligava seu tornozelo direito e esquerdo apertasse. Ele tropeçou, mas apenas brevemente.

“Me siga.” Linda pediu novamente. Claudia podia sentir a tensão em seus dedos enquanto sua dona gentilmente a empurrava para frente. Sem visão, tudo o que ela podia fazer era seguir as instruções de sua patroa, verbais e outras.

Os passos tornaram-se mais seguros à medida que ele dava mais. Ele se concentrou em sua respiração. Dentro. Fora. Ela podia sentir seu corpo se movendo cada vez mais no piloto automático, seguindo a orientação de seu mestre. Mais tensão em sua mão direita ou esquerda a guiou para virar naquela direção. A mesa de Claudia era bem grande, quase quatro metros e meio de lado, e Linda raramente virava noventa graus, e nunca na mesma direção mais de duas vezes. A princípio, Claudia tentou se orientar pela memória, mas ficou cada vez mais difícil para Linda guiá-la para mudar de direção.

Enquanto caminhavam, a voz de Linda ecoava quase constantemente em seu ouvido, cheia de palavras tranquilizadoras. “É Claudia…”, disse para si mesmo. “Apenas siga minha liderança…”

Cega como estava, Claudia confiava plenamente em sua senhora. Isso deu a Linda total controle de seus passos. Ocasionalmente, ele podia sentir a corrente entre seus tornozelos apertar por um momento, mas ele não tropeçou. Ela se inclinou um pouco mais fundo nas mãos de Linda.

Logo apenas as mãos de Linda permaneceram. E a voz de Linda. Mal notando a corrente e os tornozelos, seus passos eram pequenos, mas confiantes. Ela deixou sua dona guiá-la, confiando nela completamente, até que finalmente ouviu a voz de Linda novamente. “Ajoelhar.”

Claudia fez isso instantaneamente. Linda tinha visto a tensão lentamente deixar seu corpo durante a visita ao escritório da mulher mais velha. Agora ela estava pronta para se divertir de verdade.

“Mantenha os olhos fechados.” Linda ordenou com um sorriso no rosto enquanto levantava lentamente a venda. Então ela sentiu os dedos de Linda trabalhando no fecho de seu sutiã. “Hmm… eu gostaria que você me pagasse o suficiente para ter uma lingerie assim…” Linda brincou. Cláudia cora. Ela tinha que lembrar que sua assistente pessoal estava brincando. Linda havia prometido há muito tempo que o relacionamento especial deles não influenciaria seus arranjos de trabalho habituais. Era uma das muitas maneiras pelas quais Claudia confiava em sua patroa.

Ajoelhada, com os olhos fechados, Claudia podia ouvir os passos de sua patroa, suaves como eram. Eu podia ouvir a gaveta abrindo novamente, algumas coisas sendo arrumadas antes de ser fechada. Depois, mais passos e, finalmente, a voz de Linda novamente. “Você pode abrir os olhos, querida.”

Claudia assentiu, abrindo os olhos por um momento antes de fechá-los. Obviamente, houve um momento entre Linda tirando a venda e o sutiã e dizendo que ele poderia voltar e ver onde Linda acendeu todas as luzes do escritório. O brilho era muito forte para seus olhos absorverem imediatamente após serem vendados. Depois de alguns momentos, ela os abriu novamente, desta vez com mais cuidado, piscando várias vezes enquanto o corpo de sua senhora tomava forma.