Investigador para Escravo – BDSM

Investigador para Escravo – BDSM

Parte 1. Transcrição da reunião entre a investigadora criminal Jenny Thomsen e a promotora Diane Neyland

JT: “Olá Sra. Neyland, obrigado por dedicar seu tempo.”

DN: “Claro. Não entendi muito bem o que você descobriu no memorando.”

JT: “Não está…completo. Mas tenho motivos para acreditar que há algo estranho acontecendo nesta cidade.”

DN: “Estranho?”

JT: “Vou explicar. Acho que pode ser uma bagunça, talvez trânsito. Na semana passada, eu estava caminhando pela esplanada da marina em direção ao píer. Olhei para as mansões, tentando vislumbrar essas pessoas ricas, eu acho. Em um deles, o grande branco perto do entroncamento, olhei por cima do ombro e vi através das árvores que cercavam a propriedade vi uma mulher alta com cabelos escuros ela usava um biquíni minúsculo com estampa de oncinha e salto alto ela estava linda eu tenho dizer que ele parecia ser do sul da Europa, possivelmente do Oriente Médio.”

Para

DN: “Com licença, de onde você vem?”

JT: “Ok, então esta mulher parecia chateada. Ela se aproximou de uma mulher deitada em uma espreguiçadeira, ela não podia vê-la de onde ela estava, suas costas estavam levantadas.”

DN: “Você penetrou? »

JT: “Não, não. Eu estava do lado de fora dos portões, tentando olhar através das árvores e arbustos. Então essa mulher parecia chateada, como se estivesse com medo de alguma coisa. Sua postura era… submissa, não havia gravidade em sua postura.” Quando ele chegou à mulher na espreguiçadeira, ele se inclinou para frente e começou, eu acho, chupando seus mamilos. A mulher na espreguiçadeira estendeu a mão e moveu a mão para cima e para baixo nas pernas da mulher de biquíni.”

DN: “Então você está me dizendo que uma mulher estava com outra mulher. Isso não significa nada para mim.”

JT: “Espere. Depois de um tempo, um homem apareceu na esquina. Ele parecia um jardineiro ou algo assim, a julgar por suas roupas de trabalho. Ele passou pelas mulheres e se sentou em um sofá à sombra da casa. biquíni levantou. Ela parecia estar recebendo instruções da mulher na espreguiçadeira. Ela então se aproximou do jardineiro e o chupou! Ela apenas se aproximou e ficou de joelhos. Enquanto isso, outra mulher, uma loira, olhava pela porta da frente. Acho que a reconheço em algum lugar. Muito bonito. Ela estava conversando com a mulher na espreguiçadeira e, como elas precisavam falar em voz alta, pude ouvir parte da conversa. A loira apontou para a mulher na cama de biquíni e perguntou se ela estava bem. Não ouvi a resposta da mulher na espreguiçadeira, mas a loira perguntou se deveria “colocar Jackie na jaula”.

DN: “Claro que ele é um Inspetor Thomsen muito interessante, mas havia algum sinal de crime?”

JT: “Com todo o respeito, senhorita Neyland, você não acha isso suspeito? Eu sei o que estou fazendo, você conhece minhas estatísticas. Tenho um palpite sobre essas coisas!”

DN: “As pessoas gostam de todos os tipos de jogos, o que você espera de mim? Emitir um mandado para revistar a casa dele? Tenho certeza que você sabe como temos poucos recursos agora.”

JT: “Mas, Diane, por favor, escute…”

DN: “Obrigado, detetive Thomsen, mas sugiro que passe seu tempo em outro lugar. Tenha uma boa noite.”

Parte 2. Investigador Thomsen confronta Karine Berger

No dia seguinte, Jenny espera em frente aos altos portões de ferro preto que cercam a mansão branca. Todos os vislumbres silenciosos e ocasionais através da cerca de ferro e das árvores não tiveram sucesso. Jenny planeja ir embora. Então a grande porta da entrada principal se abre. A loira sai, atravessa o quintal e abre as portas da frente. Na calçada, ele caminha em direção a Jenny. Seu cabelo loiro na altura do pescoço é volumoso, emoldurando um rosto bonito e gentil; grandes olhos azuis, maçãs do rosto altas e redondas e uma boca larga com lábios vermelhos salientes. Algumas rugas ao redor dos olhos e nas bochechas revelam que ela é madura. Jenny estima que ela tenha cerca de 50 anos. Ela usa blusa branca, saia lápis preta justa, meias de náilon escuras e sapatos pretos. Jenny encontra a loira na calçada. Conhecida e frequentemente criticada por seu estilo de comunicação bastante duro e direto, Jenny decide jogar de forma amigável.

“Olá, meu nome é Jenny Thomsen. Sou inspetora criminal e gostaria de fazer algumas perguntas.”

A mulher parece preocupada, “O que você está… perguntando?”

“Não precisa se preocupar. Você é Karine Berger, a proprietária desta propriedade?”

“Não, eu sou seu assistente.”

Jenny acena com a cabeça. “Ok, você se importa se eu fizer algumas perguntas sobre Karine?” »

Jenny percebe que a mulher está evitando contato visual, “Uhm, sugiro que você fale com ela.”

“Ok, então qual é o seu nome?”

“Meu nome é Mia Rola.”

De repente, Jenny a reconhece. Mia Rola, ex-apresentadora de TV que participou de vários programas de entretenimento há 10 a 20 anos. A percepção interrompe Jenny por alguns segundos antes de continuar.

“Mia, você pode me dizer o que Karine Berger faz e por que você passa tanto tempo na casa dela?”

Mia responde educadamente, mas com cautela: “Ela é proprietária de vários negócios, um centro de conferências, uma boate e alguns restaurantes. Eu a ajudo nas tarefas do dia-a-dia, como planejamento, organização de reuniões, gerenciamento de talentos”.

“Talentos? Jenny imediatamente se arrepende de seu tom cético.

Mia dá um passo para trás, “Por favor, fale com a névoa… quero dizer, Sra. Berger. Eu tenho que ir agora.”

Enquanto Mia se afasta, Jenny continua: “Espere! Você pode me dar o número dela?”

Mia dá o número de Jenny Karine olhando em volta nervosamente.

“Obrigada”, disse Jenny com uma voz amigável, “e aquela garota da casa, com longos cabelos negros, quem é ela?”

“Eu acho que você quer dizer Jackie. Ela é namorada de Karine. Eu tenho que ir agora, tchau.”

Jenny liga imediatamente para Karine, que para surpresa de Jenny aceita um encontro.

Duas horas depois, Jenny está esperando por Karine em um bistrô chique. Um táxi para em frente, exatamente no horário combinado. Sai uma mulher de cabelos ruivos até o pescoço, vestindo um terno azul royal com saia lápis, botas de couro pretas até os joelhos e luvas de couro pretas. Jenny a segue quando ela entra no bistrô. Jenny acena para ele.

“Karine Berger?

Karine caminha em direção a Jenny com ar impassível. Ele imediatamente parece sério e severo para Jenny: um rosto oblongo com uma ponte nasal longa e fina, bochechas levemente com covinhas e uma boquinha severa. Karine está sentada em frente a Jenny.

“Inspetor Thomsen, como posso ajudá-lo hoje?” Karine olha para Jenny sem emoção.

“Obrigado por me receber. Vou direto ao ponto. Quero perguntar sobre Jackie… sua namorada?”

“Um deles, sim. Ele está com problemas?

“Não, Sra. Berger, mas há suspeitas de que Jackie não está sendo bem tratada.”

Karine parece condescendente. “Por que não pergunta isso a ele, inspetor Thomsen?” Afinal, ela é uma adulta, essa tola inútil.

“Por que ela é sua namorada se você fala dela assim?” Jenny lamenta seu tom sarcástico.

Karine zomba da pergunta e se inclina para trás, olhando pela janela: “Porque está quente e posso fazer o que quiser com ela.”

Jenny dá a Karine um olhar cético, apesar de seus planos de uma abordagem gentil. “Isso levanta a questão, por que então ela quer ser sua namorada?”

Karine se inclina para frente, apoiando os cotovelos na mesa, pressionando as pontas dos dedos. Ela lança um olhar frio para Jenny. “Claro que você pode perguntar a ela, detetive Thomsen. Mas ela falará do jeito que foi ensinada a falar. Eu tenho meus modos, detetive Thomsen.”

“Maneiras?” Jenny parece intrigada enquanto Karine continua:

“Você gostaria de brincar com uma garota submissa?” Eu posso consertar isso.

Jenny levanta a mão em protesto, perdendo a paciência. “Isso é loucura total, exijo falar com Jackie e ver sua casa. Vou conseguir um mandado hoje.”

“Não precisa”, intervém Karine, “você pode vir quando quiser querer. Você sabe onde eu moro. Você pode tentar Jackie se quiser.”

Jenny fica sem palavras, olhando para o azul enquanto Karine sai da mesa e vai embora.

Parte 3. Uma visita a Berger Manor

Quatro horas depois, Jenny segue para a mansão Berger. Ela está frustrada por ter ligado para o promotor Neyland, que ainda não mostra interesse em suas descobertas. Jenny está acostumada a fazer as coisas do seu jeito e tem um forte senso de suas próprias habilidades. Chegando na mansão, Jenny toca a campainha da frente. Ao som de um clique, uma porta se abre ao lado da porta da frente. Jackie abre a porta da frente para cumprimentar Jenny, que fica pasma com a figura à sua frente: alta, magra, sexy. Cabelo preto brilhante comprido repartido, olhos castanhos sedutores com cílios longos e maquiagem escura espessa, nariz estreito e lábios grandes e rosados. Um vestido preto curto e justo cobre a parte inferior do tronco, a barriga e a maior parte dos seios grandes e firmes. Certamente não é natural, pensa Jenny. O rosto de Jackie é inexpressivo, seus olhos vazios. Sua voz é suave, baixa, rápida e robótica.

“Inspetor Thomsen, seja bem-vindo, queria falar comigo, ficarei feliz em ajudá-lo.” responda-os, deixe-me saber se precisar de alguma coisa, tratarei os convidados de minha amada senhora como eles desejarem.

Ao entrar no salão principal, Jenny fica impressionada com o enorme espaço. Há uma escada serpentina no andar superior e outra escada na outra extremidade, que desce até o porão. O piso de mármore branco é pontilhado de bustos, estátuas e grandes plantas. Um candelabro gigante pende do teto, alto no ar.

Jackie continua: “Podemos conversar na cozinha, se você quiser.”

Jenny aceita e logo entram em uma cozinha grande e bem equipada. Os saltos altos de Jackie estalam alto.

“Onde está a Sra. Berger?” Jenny pergunta com uma voz amigável e se senta em um banquinho ao lado de uma enorme ilha de cozinha.

“Minha amada senhora está lendo em seu escritório, deixe-me saber se você quiser vê-la.”

Apoiando o cotovelo na bancada da cozinha, Jenny lança um olhar sério para Jackie. “Jackie, eu posso te ajudar. Trabalho para a polícia, posso te tirar daqui e te proteger.”

Jackie olha para o chão, em silêncio. Perplexa, Jenny tenta uma estratégia diferente.

“Jackie, como você chegou aqui?” Como você conheceu a Sra. Berger?

Jackie olha para cima, aparentemente envergonhada. “Dois anos atrás, fiz um teste para um papel que não consegui. Mas meu amado amante esperou do lado de fora e começou a falar comigo.”

Jackie faz uma pausa, mas Jenny diz a ela para continuar.

“Ela me deu uma vida maravilhosa aqui, estou feliz, vivo para agradar minha amante.”

“Espere”, interrompe Jenny, “diga-me como você concordou em morar aqui com ela.”

“Meu amado me formou.”

“Mas Jackie, por que você o deixou praticar?” Ele sequestrou você?

Jackie olha para Jenny de forma neutra, “Estou feliz com meu amado amante, vivo para agradar meu amante.”

Jenny fica horrorizada, percebendo que Jackie sofreu uma lavagem cerebral completa.

“Posso dar uma olhada, Jackie?”

“Sim, detetive Thomsen, e me avise se precisar de alguma coisa.”

Jenny desce as escadas, examinando a sala, a biblioteca e os banheiros. De volta ao salão principal, ela está frustrada. Ouve-se um barulho vindo do porão, como se uma grande porta estivesse se fechando. Em seguida, o som de estalos mais perto. Alguém está subindo as escadas, lentamente. Jenny está se escondendo atrás de uma estátua. Ele vê Mia se aproximando, mancando lentamente. Com os olhos inchados e vermelhos, Jenny conclui que Mias chorou. Agora o som de passos vem de outra direção. Karine Berger entra no corredor e olha gravemente para Mia.

“Chorou, não foi?

Mia parece envergonhada, “Sra. Berger, peço desculpas pela minha aparência, vou consertar isso.”

Karine olha para Mia levantando a voz, “E quem nós escondemos aqui no quarto?”

Jenny se levanta, envergonhada. Karine dá a ele um sorriso amigável, mas desajeitado.

“Veja bem, Mia esqueceu de colocar minha sessão de massagem na minha agenda. Fiquei muito envergonhada e pedi desculpas ao meu massagista. Então Mia precisava de uma sessão de punição com meu guardião de confiança, não é, Mia?”

Mia concorda imediatamente: “Sim, Sra. Berger, eu precisava de algum castigo.”

“Vamos mostrar ao inspetor Thomsen.”

Mia se aproxima de Karine, se afasta de Jenny e se inclina ligeiramente para a frente. Karine dobra cuidadosamente a saia lápis de Mia. Jenny engasga ao ver os pãezinhos maltratados de Mia, uniformemente vermelhos em ambas as nádegas. Karine dobra delicadamente a saia e olha para Mia.

“Agora volte e seque o Sr. Kuelder. Ao contrário de você, ele é um profissional e merece um prêmio. Se você entregar algo menos que um desempenho de cinco estrelas, você vai se arrepender.”

“Sim, senhora Berger, imediatamente, senhora.”

Jenny está sem palavras, olhando espantada para Karine e Mia. Karine cruza os braços.

“Agora vou te dizer de novo. Sinta-se à vontade para usar Jackie, eu tenho outras garotas também, se ela não for sua preferência.”

Jenny não consegue pensar direito, ela olha para Karine com indignação. Karine pede a Jenny que espere e procura uma palavra.

“Aqui, talvez isso possa inspirar você. Este é o endereço do meu servidor web e é uma senha válida por 30 dias. Dê uma olhada e me chame se eu puder ajudá-lo. para ajudar.”

Karine põe as mãos no ombro de Jenny e sussurra: “Talvez haja outra pessoa com quem você gostaria de se divertir. Fico feliz em ajudá-lo, detetive Thomsen.

Parte 4. Um amante desapontado

Três semanas depois. Jenny está encostada na parede de uma casa que ela não reconhece, respirando pesadamente e olhando ao redor nervosamente. Seu pescoço e pulsos estão envoltos em colares de aço presos a uma barra de metal pendurada em uma corrente no teto. Ela está nua, exceto por um par de botas de couro preto até o joelho que ela usava quando saiu de seu apartamento. Sua última lembrança são passos pesados ​​e rápidos atrás dela. Jenny tem uma ideia clara de quem está por trás de tudo, mas luta para juntar as peças. Saindo da mansão de Karine, ele passou muitas horas no servidor da web, vendo fotos e vídeos de Jackie e outras mulheres sendo humilhadas, ridicularizadas e usadas de inúmeras maneiras. Às vezes a própria Karine estava na foto, às vezes Mia também, ajudando Karine a administrar seus súditos. Mas Jenny não contou a ninguém além da promotora Diane Neyland sobre o material, insistindo sem sucesso que Karine Berger fosse investigada. Então, por que ela estava lá, sequestrada? Afinal, Karine tinha sido apenas acolhedora. Jenny tenta se mover, mas seu pescoço e pulsos estão tensos e a barra é tão alta que ela só consegue dar pequenos passos em qualquer direção. Ela procura pistas; pelas janelas só se vê um pequeno relvado e algumas árvores. Está quieto, o único barulho vem do canto dos pássaros lá fora. Jenny assume que ele está em uma casa de veraneio nas montanhas fora da cidade.

Demora cerca de meia hora até que haja o menor sinal de vida: o som de um carro se aproximando e parando do lado de fora, depois uma porta batendo e passos lentos. Jenny sente o coração bater como um tambor. A porta da frente se abre e logo em seguida a porta da sala onde está Jenny. É Karine, com um casaco laranja sobre um vestido preto. A visão de Jenny não parece afetá-la. Jenny parece apavorada Karine sentada no sofá do outro lado da sala, de pernas cruzadas.

“Então, inspetor Thomsen, você entende por que está aqui?”

Karine move lentamente o pé esquerdo, o calcanhar pontiagudo movendo-se no ar. Jenny respira fundo.

“Por que Karina? Por que estou aqui?

“Eu não deveria ter colocado seu nariz tão longe nos meus negócios, Jenny.”

“Foi Diana?” Ela te contou que eu…” A voz de Jenny está fraca e trêmula.

“Não”, interrompe Karine, “a promotora Neyland não trabalha para mim. Ela é muito correta e diligente. Mas eu a procurei porque sei que você depende dela.”

Karine se levanta e começa a caminhar lentamente em direção a Jenny com um sorrisinho sinistro, “Também notei a aparência dela, por que você não me contou sobre ela Jenny? Aquele corpo curvilíneo e toda aquela aparência profissional e confiante, eu adoro isso.”

Karine, um pouco mais alta que Jenny, olha bem nos olhos de Jenny, “Ela virá aqui mais tarde, ela fará de vocês dois um belo bando de escravas.”

Dominado pela fúria, humilhação e desespero, Jenny olha para Karine. É uma tentativa desesperada de manter a dignidade, anulada pela ausência de vozes e pelos soluços emergentes.

“Sua… vadia… seu monstro do mal.” Eu vou… “

Karine dá um tapa em Jenny com grande força, efetivamente calando-a e atordoando-a. A boca de Jenny está colada e as lágrimas começam a escorrer por seu rosto. Ele evita contato visual com Karine, que tira uma caneta do bolso. e o move sobre o corpo de Jenny, inspecionando-o cuidadosamente.

“Hmm, seus seios são um pouco pequenos demais. Se eu vou ficar com você, algo terá que ser feito. Fora isso, seu corpo está muito bonito. Sua testa é um pouco grande demais, mas podemos cobri-la com um pouco desse lindo cabelo preto que você tem, com a maquiagem certa e as roupas certas, você será uma escrava muito boa.

Jenny fecha os olhos e estremece enquanto seu choro se intensifica. Karine tira silenciosamente o casaco e depois o vestido, joga-os no sofá e puxa um par de arreios de uma cômoda. O arnês é robusto, com várias tiras grossas de couro preto. O vibrador da cor da pele é longo, grosso e pesado, feito de um material bastante áspero, parecido com borracha. Karine o coloca metodicamente, ajustando cuidadosamente cada alça enquanto fala com Jenny.

“Este é um CD com o nome do meu primeiro escravo. É uma peça de engenharia fina, cara e personalizada. É o único que uso. No início, você o verá como uma ferramenta de punição, mas com o tempo você ‘ll love “Você deveria ter ouvido Jackie gemer ontem à noite, ela com certeza passou a gostar.”

Jenny fica apavorada com os comentários cruéis, degradantes e triunfantes de Karine. Ele olha ao seu redor em busca de uma saída, de ajuda, de esperança. Karine se aproxima de Jenny, segurando firmemente os cabelos pela raiz com uma das mãos, acariciando seus seios com a outra. Karine sussurra no ouvido de Jenny com uma voz sibilante cruel:

“Você tem uma cara de vadia mandona, notei isso na primeira vez que te vi. Eu sou a única vadia mandona aqui e vou torná-la muito, muito humilde. Você será minha servazinha e vai aprendam Me deram o papel de atendente de quarto, você vai adorar a roupa que estou te esperando em casa e vou fazer você trabalhar duro para conquistá-la.”

Parte 5. Duas adições à coleção de Karine

Um pouco depois, Diane e Jenny estão sentadas de joelhos, Karine as domina. Ambos estão amarrados, pelos tornozelos e pelos braços, atrás das costas. O rosto redondo, liso e bastante plano de Diane tem linhas de rímel preto, indicando que muitas lágrimas rolaram por seu rosto. Ambos estão usando coleiras e Karine puxa as coleiras para que seus cativos olhem para ela. Jenny acha difícil encontrar o olhar frio e desdenhoso de Karine, cheio de medo e um profundo sentimento de humilhação. A voz de Karine é fria e afiada.

“Diane, você pode chupar CDs. Jenny, você pode trabalhar meus buracos com sua língua. Qualquer hesitação será severamente punida. Tenho o Sr. Kuelder esperando para me ajudar se eu precisar dele. Ele é muito meticuloso quando ‘ele corrige os escravos Eu não gosto.’

Karine se posiciona. Jenny imediatamente vê Diane abraçando CD com a boca. Jenny não tem escolha a não ser mover o rosto entre as nádegas de Karine. Karine coloca a coleira entre as pernas e abraça Jenny contra ela. Jenny estica a língua para contornar a abertura anal de Karine.

“Quero ouvir os dois comendo como bons escravos”, diz Karine.

Jenny pressiona a língua ao redor do buraco seco, adicionando sua própria saliva para ir mais fundo.

Karine gemeu em aprovação.

Jenny e Diane servem Karine por um tempo, até que os gemidos mais profundos de Karine e as pernas trêmulas indicam que ela está chegando ao clímax.

” Sim ! Oh, isso é bom ! Karine grita enquanto tem orgasmo.

Karine caminha até o sofá e se senta. “Agora beije meus pés, escravos.”

Jenny e Diane cambaleiam na direção de Karine de joelhos e se inclinam para a frente. Karine continua a provocá-los,