Quero trepar com você todos os dias da vida

Quero trepar com você todos os dias da vida

Neste sábado acordei com vontade de sexo. Não sonhei com sexo e não tenho uma idéia de onde essa vontade toda surgiu. Mas o fato é que acordei decidida a fazer sexo. Não sozinha, claro. Eu queria uma boa transa. Daquelas que, ao acabar, ambos estão exaustos e satisfeitos. Pensei um pouco e decidi: hoje eu quero transar com o Beto. Todas as vezes que nos encontramos rola aquele clima, sabe? E eu sabia que bastava dar a entender que ele iria às vias de fato. Peguei o telefone e liguei.

    – Oi Beto, cê vai fazer alguma coisa hoje a noite? É que eu queira experimentar aquele sushi que você me falou.
– Marcado então, que horas te pego?

Pronto! Agora a coisa ia. Passei o dia esperando ansiosamente. E a tesão por sexo só aumentava. O que era aquilo? Eu precisava, eu necessitava transar. Uma hora antes do Beto aparecer, eu já fui tomar banho. Então, abri a gaveta e peguei a lingerie vermelha. Opa! Aí eu lembrei da pesquisa que li e os homens não gostam de lingerie vermelha. Olhei para a branca, mas pensei que era muito coisa de noiva. Mas afinal, por que eu tenho uma lingerie branca? Ah sim! Foi a Selminha que me deu.

Enfim peguei a lingerie preta. Gosto dela. É bonita, pequena, confortável e os homens adoram! Abri então o armário e não pensei duas vezes. Peguei o vestido colorido e bem curto que comprei no Bourbon há duas semanas. Fiz uma maquiagem básica e terminei com a sandália rosa de salto. Estava pronta! Mas senti que faltava algo. Ouvi a buzina lá fora e o telefone tocou. Pedi que ele esperasse e corri até o banheiro. Havia esquecido as camisinhas. Pensei que o Beto deveria ter camisinhas na carteira, mas peguei mesmo assim.

Ao abrir o portão, senti o corpo queimar tamanha a olhada que ele me deu. Queria dar um beijo nele naquele momento, mas achei que seria demais. As coisas precisavam ir com calma. Nos abraçamos e, no momento dos dois beijinhos, senti o rosto dele deslizando. Tentei fazer um pouco de charme, demonstrar surpresa e virar o rosto. Mas eu estava com muita vontade de fazer sexo, lembra? Então respondi ao que ele começou e nos beijamos. E que beijo! Se eu soubesse que o Beto beijava daquele jeito, eu não teria esperado tanto.

O meu vestido era curto e senti uma mão alisando minhas coxas. Quase derreti de tanta tesão. Abri um pouco as pernas e deixei que mão dele fosse onde quisesse ir. Mas ele não foi. Mas também não parou de beijar. Fiquei um pouco sem entender, mas decidi parar de pensar. Até que ele parou, respirou fundo e perguntou se eu realmente queria experimentar o sushi. Respondi que poderíamos deixar para um outro dia. Então ele começou a dirigir. Um pouco rápido, se não me engano. Cada vez que o sinal fechava nos beijávamos como se fosse a última vez.    ?? ?A tesão só aumentava.

A minha vontade também. Até que, finalmente ele chegou ao motel. E que motel! Sabia que o Beto não me levaria para qualquer lugar e foi por isso que liguei pra ele. Entramos no quarto e não conseguimos parar de beijar. Não demorou muito e a mão começou a subir pela minha coxa. Enquanto eu comecei a desabotoar a calça dele. E beijo foi ficando cada vez mais intenso. O meu vestido foi parar do outro lado do quarto. A roupa dele também. Mas a lingerie preta continuou. Ele disse que achou bonita demais parar tirar.

Colocamos todo nosso desejo em prática com muito sabor e tesão. Fiquei louca com seu corpo nu…Ter prazer numa boa foda…Dar prazer…Receber prazer…Proporcionar prazer… Existe algo mais divino que dois corpos encontrando-se em busca do gozo?

Voltei pra casa casa em plena manhã de domingo. Se o sexo foi bom? Minha nossa! Não poderia ter sido melhor. Há muito tempo eu não sentia tanto prazer, tanta tesão… Coisa boa demais o sexo, viu? Agora eu vou dormir. A meta foi alcançada como também superada. Marquei de encontrar o Beto amanhã à noite. Vamos comer o tal sushi…