Anna e Arin: pura submissão – BDSM

Anna e Arin: pura submissão – BDSM

Anna tinha acabado de se sentar no sofá com a televisão ao fundo quando Arin entrou pela porta. Ela ainda tinha um sorriso radiante no rosto quando a vi pela primeira vez e esta noite não foi diferente. Ele largou suas coisas na mesa perto da porta e caiu no chão na frente dela. O show que eles frequentemente assistiam juntos tinha acabado de começar.

“Dia difícil?” ela perguntou, deslizando o pé descalço em seu colo.

“Uma semana difícil. Parece uma eternidade desde que passamos uma noite tranquila juntos sem nada urgente para fazer,” ele sussurrou, dando um beijo suave em seu peito do pé antes de amassar a sola de seu pé.

“Vejo que alguém esteve muito ocupado para se barbear por várias manhãs”, ele brincou, passando um dedo sobre a pequena quantidade de sua nuca.

“Bem, nem todo mundo pode ser tão incrivelmente doce quanto você o tempo todo”, disse ele, inclinando-se para esfregar alegremente seu pescoço contra suas pernas macias.

Anna não pôde deixar de rir e demiti-lo. Ele riu, pegando o outro pé para continuar a massagem com um olho na televisão. Sentaram-se por alguns minutos para assistir e aproveitar o silêncio da noite. As mãos fortes de Arin moveram-se lentamente por sua panturrilha, deslizando um pouco mais alto a cada poucos minutos. De vez em quando, ele depositava pequenos beijos ao longo de sua ascensão. Ele foi muito claro sobre o destino que tinha em mente. Às vezes ela se perguntava se ele passaria o resto da vida entre as pernas dela se ela o deixasse.

“Você PODERIA ser doce o tempo todo, querida. Se você quisesse ser. Se… eu quisesse que você fosse”, disse ele, brincando com seu pênis através das calças com o pé livre. Ele exalou profundamente com a sensação repentina e virou-se para encontrar seus olhos.

“Acho que eu poderia me barbear com mais frequência… eu estava com pressa… para corrigir o dever de casa… os exames”, ele sussurrou, levantando os quadris ligeiramente para se mover contra o pé dela.

“Eu quis dizer um tipo diferente de doçura. Nós poderíamos realmente fazer uma noite”, disse ele, afastando-se de sua ereção crescente para desligar a televisão. “Confie em mim?”

Arin se virou completamente, seus olhos procurando os dela, e ele assentiu. Ele não parecia se importar com o que ele aceitava, desde que pudesse fazer isso com ela. Do restaurante, houve uma mudança em algum lugar sob a superfície. Lentamente, parecia menos com o arranjo que ele havia planejado. Toda vez que ele olhava para ela assim, parte dela se perguntava se deveria deixá-lo ir. No entanto, ele se viu avançando e querendo mais. Sempre mais. Ela se levantou do sofá e olhou para ele com um sorriso.

“Vá se sentar no balcão da cozinha perto da pia. Eu vou te mostrar o quão doce você pode ser”, disse ele, deslizando para o quarto para pegar algo especial para ela.

A navalha era de dois gumes com lâmina de aço carbono. O cabo de buxo resistente foi gravado à mão. Era único e ainda tão nítido quanto no dia em que o recebeu como presente. Ela o colocou de volta no estojo de couro e caminhou até a cozinha onde Arin estava sentado como assistente. Suas pernas de repente pararam de balançar quando ele olhou para o estojo em sua mão.

“Você já se depilou corretamente? ela perguntou, colocando a mala ao lado dela e enchendo a pia com água morna.

“Você quer dizer como um barbeiro à moda antiga? Não. Nunca”, disse ele, movendo-se ao redor do balcão com um olhar interessado em seu rosto.

“É um trabalho delicado. Especialmente quando se trata de depilar áreas sensíveis. Você já se depilou em outro lugar além do rosto?” ela perguntou, sorrindo para suas bochechas coradas enquanto revelava a lâmina brilhante.

“Eu mantive minhas pernas depiladas por um tempo quando eu andava muito de bicicleta. Por causa do atrito da estrada, é claro. Hum… então você já usou essas coisas?” Eu pergunto.

Ela sorriu, colocando o queixo entre o polegar e o indicador para posicionar o rosto. Ele pareceu relaxar um pouco quando ela começou a ensaboar as bochechas com creme de barbear. Seus olhos azuis travaram nos dela enquanto suas mãos se estendiam para tocá-la de todas as maneiras possíveis.

“Eu sei que você pode ser um bom menino e ainda ser muito calmo. Afinal, você quer ser indulgente comigo. Certo, Arin? ela sussurrou, gentilmente empurrando a cabeça para trás e pressionando seu corpo contra o dele.

A lâmina fria deslizou por sua garganta, deixando um caminho limpo através da espuma de barbear. Sua respiração estava ficando mais pesada e suas mãos estavam caindo de seus quadris para agarrar o balcão de cada lado dele. Apenas parte dele se contorceu de excitação com as palavras dela.

“Sim… se é isso que você quer… eu serei qualquer coisa para você”, ele sussurrou enquanto ela movia a lâmina coberta de creme na pia.

“Mesmo que seja desconfortável fazer isso?” Mesmo que seja… doloroso? ela perguntou, olhando-o profundamente nos olhos.

” Dolorido ? Por que doeria a menos que você me cortasse com essa coisa? ele ri nervosamente, olhando para a lâmina em sua mão.

“Pode ser doloroso se esticar… sair da sua zona de conforto e ir a algum lugar que você nunca esteve”, disse ele, dando-lhe um sorriso tranquilizador antes de continuar a fazer a barba.

Logo todos os vestígios da nuca estavam nadando na pia. Ele sorriu, deslizou a mão sobre a superfície lisa do rosto molhado e começou a deslizar para fora do balcão. Quando ela balançou a cabeça e o empurrou, o alívio em seu rosto desapareceu rapidamente.

“Nós não podemos parar na sua cara, querida. Ou você gosta de tudo ou não”, disse ele, olhando para baixo da barraca em seus shorts.

Arin respirou fundo e engoliu em seco, deslizando para fora do balcão. Ela tirou as roupas, colocou-as no balcão e voltou à sua posição anterior. Seu pênis endureceu, tremendo com cada batida de seu coração.

“Você acha que pode continuar assim enquanto eu faço suas pernas? Vai ser muito mais fácil depilar em torno de um pau quando está difícil”, disse ele calmamente, puxando uma cadeira da cozinha para trabalhar em sua perna direita.

“Deus Anna… você está tentando afugentá-lo? Só de pensar naquela coisa perto do meu pau me assusta o suficiente.”

“Não, meu bichinho. Não é mais SEU pinto. Pertence a mim, lembra? E eu posso assustá-lo o quanto eu quiser”, brincou ela, prestando muita atenção no trabalho dele.

Arin mordeu o lábio inferior, tentando, mas não conseguindo esconder sua excitação. Ele ainda não tinha se acostumado com a ideia de não possuir mais uma parte de seu corpo. Sempre parecia fazê-lo se contorcer quando ela o lembrava.

Suas pernas demoraram mais do que ela esperava, mas logo estavam tão lisas e brilhantes quanto as dela. Ela não pôde deixar de passar as mãos sobre eles e imaginar como eles ficariam perfeitos lá embaixo. Mesmo depois de meses explorando seu corpo, ele não tinha percebido o grande par de pernas que ele tinha até este momento. Quando ela finalmente olhou para ele, ela parecia estar tentando ler sua mente.

“Abraços para cima”, ele ordenou, levantando-se para continuar despindo-o de todos os traços masculinos. Ele fez o que eu pedi e riu para si mesmo. “O que é tão engraçado?” ela perguntou.

“Eu pensei… Samson nunca teve um tempo tão bom com Delilah. Ela tirou sua força. O que você tira dele? ele perguntou sorrindo para ela e fazendo-a rir de volta.

Enquanto examinava cuidadosamente o corpo dela, pensou na pergunta. Ele certamente não queria tirar sua força. De alguma forma, mesmo de joelhos, ele parecia exalar uma calma confiança que ela nunca tinha visto em outro homem antes. Um sorriso roçou seus lábios quando ela notou o cabelo grisalho espalhado perto de suas têmporas. A verdade era que ela não queria tirar nada dele. Sua força e experiência eram parte do que atraía Anna. Não se tratava de deletar nada. Era sobre dar. Ela estava lhe dando permissão para ser fraco.

Havia muito pouco cabelo em seu peito, e a mancha tênue que corria para o sul era bonita demais para raspar. Enquanto ela passava a lâmina recém-afiada em torno de seu pau emocionante, ele ficou tenso. Ele mordeu o interior de sua bochecha, congelado no lugar como se a qualquer momento ela pudesse escorregar e cortá-lo. Quando ela finalmente terminou, ela se afastou do balcão com um sorriso satisfeito, olhando-o de cima a baixo. A maior parte de seu corpo estava molhada e brilhando com traços de espuma de barbear.

“Veja, não é muito melhor? Um novo animal de estimação”, disse ele, voltando para o lado dela com um sorriso. “Agora incline-se sobre o balcão. Só temos um lugar sobrando.”

Seus olhos nublaram em confusão antes que ele finalmente percebesse o que ela queria dizer. Quando ele deduziu que ela estava falando sobre sua bunda, seu rosto ficou vermelho brilhante. Arin limpou a garganta, concentrando-se na mesa da cozinha em vez do rosto de Anna, que estava a centímetros do seu. Ela lentamente o virou e o empurrou para o balcão, encorajando suas pernas a se abrirem para ela.

“Eu… uh… bem… tudo bem, eu já fiz a barba lá anteontem.” Eu pensei que você gostaria de menos cabelo lá quando…” sua voz sumiu e um pequeno arrepio o percorreu. Seu dedo deslizou sobre sua entrada lisa sem intenção de entrar.

Anna deixou suas palavras pairarem no ar pelo maior tempo possível. Ele tomou a iniciativa de raspar a bunda, mas deixou a área ao redor de seu pênis como estava desde que ela o reivindicou. Este gesto aparentemente pequeno significava algo. Não era apenas um jogo que eles estavam jogando no quarto. ou banheiro público. Era algo que ele levava com ele quando ela não estava por perto. Foi real. Quando ela pegou a mão dele e o levou para o banheiro, seu coração estava acelerado.

Ele preparou um banho quente, acrescentando óleos e sais de banho. A luz suave da sala era a única iluminação no quarto, então ela acendeu uma vela e a deixou na beirada da banheira. Quando a banheira estava cheia o suficiente, ela acenou para ele entrar. Ela deve ter pensado que o banheiro era para ela, porque ela apenas olhou para ele por um tempo.

“Entre, querido. A água está perfeita”, disse ela, dando-lhe um pequeno sorriso quando ele hesitantemente agarrou a borda e entrou na água.

“Esse perfume é… uh… floral, não é?” ele perguntou, movendo-se para a banheira para encontrar seu olhar.

Tudo nele parecia incerto e maleável neste momento. Era Arin nu. Ele queria muito dar a si mesmo. Alguém para cuidar dele parecia um conceito completamente estranho.

“Estes são alguns dos meus melhores óleos. Eles vão deixar sua pele muito macia. Caso você esteja se perguntando, o cheiro dura bastante tempo. Você gosta do cheiro?”

“Uh… sim… quero dizer, é bom, luxuoso mesmo. Mas eu ainda tenho dificuldade em entender por que você quer que seu homem, bem, cheire bem,” ela disse, corando.

“Primeiro de tudo, você não é meu homem. Você nunca tem que ser assim comigo. Segundo, por que eu não iria querer que o que é meu cheirasse bem e me sentisse bem?” ela perguntou. Sua voz era baixa e calma enquanto ele passava um pano úmido nas costas.

Ele deslizou o pano ensaboado sobre o pescoço e lentamente abaixou o peito liso, deslizando ainda mais para baixo. Quando o pano deslizou sob a superfície da água e roçou seu pênis, ele soltou um gemido suave que pareceu ecoar pelo banheiro silencioso. Seus dedos tocaram incansavelmente até que seu corpo parecia pronto para se libertar. Sua respiração profunda misturada com o vapor da água o fez sentir um pouco tonto. Ele não foi o único a ficar molhado.

“Quando você terminar de tomar banho, eu vou te vestir com algo muito macio e delicado. Tenho certeza que você já sabe o que vou fazer a seguir,” ela sussurrou, tirando sua camisa molhada e jogando-a fora. no banho. impedir.

“Eu nunca tenho certeza de nada com você, Anna… mas eu tenho uma ideia.” Eu acho que minhas costas estavam pedindo,” ele sussurrou, seus olhos pegando a plenitude de seus seios.

“Mhmm, agora nós dois sabemos o quanto você o ama… o quanto você o quer.” Chega de fingir ser algo que você não é,” ela diz, massageando xampu em seu couro cabeludo.

“É tão… libertador. Como se eu pudesse viver neste lugar e nunca mais voltar. Ainda assim, sinto que não estou fazendo o suficiente por você. Você deveria ser o centro das atenções. Não eu.”

Anna balançou a cabeça e revirou os olhos. Ela era uma mulher adulta. Ela não precisava ser o centro das atenções o tempo todo. Ele enxugou a água de sua testa antes que ela corresse em seus olhos. Sua atenção estava focada nela como se ela pudesse flutuar a qualquer momento e fosse sua âncora.

“Agora que você mencionou, há algo que eu quero de você”, disse ela, levantando-se para tirar a calcinha de renda preta e entrar na banheira com ele. “Eu gostaria de te ensinar a beijar.

Seus olhos se iluminaram com as palavras dele e um gemido profundo escapou de sua garganta quando ela deslizou suas nádegas sobre seu estômago para se aconchegar entre suas pernas. Levou apenas um momento para envolver seus braços e pernas ao redor dela.

“Finalmente? Eu queria isso há tanto tempo… é só que você disse que não beija submissas,” ele disse, seu rosto enterrado no cabelo dela enquanto a puxava ainda mais para perto dele.

Anna o soltou e se virou para ele, encontrando seu olhar com um sorriso divertido nos lábios. Ela sabia que ele queria beijá-la desde a primeira noite em que o conheceu, mas ela ainda não podia quebrar sua própria regra. Afinal, as regras eram extremamente importantes para uma Domme. Eles eram obrigatórios. Ainda assim, o calor do momento parecia quase demais para suportar.

“Quem disse que eu iria te ensinar a me beijar?” ele brincou, recostando-se no lado oposto da banheira e apreciando a confusão no rosto dela. “Eu mencionei que eu gostava de ver dois homens juntos, não é?”

Seus olhos se arregalaram e levou muito tempo antes que ele encontrasse sua voz. Ela teve tempo de lavar o cabelo, tomar banho e começar a esvaziar a banheira antes que ele soubesse o que dizer. Quando ele falou, suas palavras foram suaves e muito menos perturbadoras do que ela esperava. Ela se levantou para envolvê-lo em uma toalha rosa macia enquanto ele tentava negar que ele iria querer estar com um homem. Certa noite, depois de beber muito vinho, confessou ter beijado uma colega de faculdade, mas na manhã seguinte evitou o assunto. Quando o virou, seu rosto estava quase tão rosado quanto a toalha ao seu redor.

“Feche os olhos e cale a boca. É hora de uma lição”, disse ela, passando os dedos sobre as pálpebras e inclinando a cabeça assim. “Quando você beija, você sempre tem que se lembrar de uma coisa. Você tem que se lembrar de como é a sensação contra a sua pele.”

Ele sorriu suavemente quando ela puxou um roupão de seda sobre os seios macios, parando para acariciar muito suavemente seus mamilos, em seguida, trazendo-o aos lábios. Cada toque contra sua pele parecia excitá-la novamente. No momento em que ele puxou a seda, Arin estava ofegante e mais forte do que ela já tinha visto antes. Parecia uma luta manter meus olhos fechados.

“Agora abra os olhos e me mostre o que você acha que eu quero dizer”, disse ela, apontando para o lado de seu pescoço para praticar.

Lentamente, ele deu um beijo suave em seu pescoço, seguido por outro beijo lento. Quando ela o empurrou e balançou a cabeça, ele se esforçou muito para não franzir a testa. Suas sobrancelhas estavam franzidas em concentração enquanto ela continuava suas instruções.

“Você não é um pássaro, Arin. Picar não é o jeito que eu quero que você beije.” Ela pegou a mão dele, girando-a para expor a carne macia de seu pulso, e muito gentilmente roçou os lábios contra ela. Gentilmente, ele deslizou sua língua sobre sua pele, provocando-a com cada golpe. “Sim. Liso. Liso. Como seda.”

Ele gemeu baixinho, observando cada movimento dela. Sua outra mão se estendeu para agarrar seu pau latejante e Anna percebeu que estava chegando ao ponto sem retorno. Não havia como isso continuar antes que ele se ajoelhasse e implorasse. Seu próximo beijo contra sua clavícula fez cada célula de seu corpo estremecer. Foi perfeito. Quando ela lhe entregou uma de suas camisolas cor-de-rosa de sua cesta suja, ele não hesitou em vesti-la. Enquanto as palavras Casa e Agora saiu de seus lábios, seu animal de estimação fugiu do quarto deixando apenas pegadas molhadas no chão atrás dele.

******************

Quando ele finalmente entrou na sala, ele estava vestindo uma das camisas de Arin da cesta e uma cueca boxer de outro homem. Arin correu os dedos pelas coxas lisas, mas imediatamente se sentou quando a viu parada na porta. A camisa era longa o suficiente para esconder o cinto cor de carne.

“Abra suas pernas para mim como uma boa menina”, disse ela, um sorriso travesso em seu rosto enquanto se aproximava. Sua voz era baixa e menos doce do que no banheiro.

O rosto de Arin ficou vermelho brilhante e seu pênis se contraiu sob a camisola de seda enquanto ele abria as pernas. Ele estava longe demais para hesitar, mesmo depois de ser chamado de criança.

Anna deslizou para a cama, posicionando-se entre as pernas abertas e levantando lentamente a camisa. Uma respiração profunda saiu da boca de Arin enquanto ela examinava o pênis que era muito maior que o dela. Tentativamente, ele estendeu a mão, deslizando suavemente os dedos contra o membro já lubrificado. Anna o empurrou para a cama, forçando suas pernas a se separarem ainda mais. A cabeça de Arin caiu para trás quando sua cabeça pressionou contra ele. Sua respiração estava irregular e suas mãos apertadas ao redor de suas pernas, forçando-as a ficarem abertas e no ar.

“Oh, Anna,” ele sussurrou, ofegante.

“Não. Não Anna esta noite. Como uma garota legal deve chamar alguém que tem seu pau dentro, querida?” ela perguntou, sorrindo para o pequeno gemido enquanto se forçava mais fundo nele.

“Eu… uh… ohhh,” ele gaguejou, olhando nos olhos dela. “Senhor?”

Ela sorriu, assentindo uma vez antes de mover seus quadris, afundando mais fundo em seu pequeno buraco apertado. Ele estremeceu com cada impulso, mas seu corpo pressionou contra a invasão, precisando de mais. Anna continuou, agarrando suas pernas com mãos firmes e lentamente acelerando o passo. Seus gemidos profundos lentamente deram lugar a gemidos agudos quando a palavra Senhor escorregou de seus lábios como mel. Ela nunca o tinha ouvido fazer esses sons antes.

Por sua vez, seus próprios movimentos mudaram. O que antes era suave e reconfortante agora era áspero e poderoso. Prendendo os joelhos na cama, ela empurrou de novo e de novo, ansiosa para que aqueles pequenos gemidos se transformassem em gritos de liberação. Gemendo, ele levantou sua bunda para fora da cama, fodendo com mais força do que jamais ousara antes. Suas mãos deslizaram por sua camisola de seda, provocando seus mamilos duros através do tecido.

Quando Anna rosnou a palavra Cum, ele explodiu, seu corpo inteiro convulsionando com cada pequeno grito que escapou de sua boca. Depois de mais um empurrão, ela finalmente diminuiu o ritmo, avaliando a mudança nele. com cuidado. Arin estava tremendo incontrolavelmente debaixo dela e ofegante, um sorriso suave de satisfação em seus lábios.

“Deus. Eu gostaria de ter gravado para assistir uma e outra vez”, disse ela, saindo dele e caindo na cama ao lado dele. “Você é uma garota tão perfeita.”

Arin riu, mal conseguindo manter os olhos abertos. Seu corpo ainda estava tremendo e sua camisola agora estava coberta por seu esperma. Anna estendeu a mão para puxar o cobertor sobre eles, empurrando Arin para descansar a cabeça em seu peito. Enquanto eu o abraçava, sua respiração lentamente voltou ao normal. Lá fora, eu podia ouvir a chuva batendo contra a janela. Antes de fechar os olhos para a noite, Arin falou, sua voz perfurando o silêncio da sala.

“Você realmente quer que eu fique com um homem?” ele perguntou, deslizando uma perna sobre ela e se aconchegando mais perto.

Anna sorriu, fechando os olhos e apreciando o calor do corpo dele. “Acho que você gostaria”, disse ele.

“Quem precisa de um homem quando seu Domme pode te foder assim?” sussurrar.

Eles trocaram uma última risada antes de cair em um sono profundo e restaurador.